26 maio 2014

UMA BALADA PARA MIGUEL.



UMA BALADA PARA MIGUEL.
Por Paulo Afonso Linhares - Advogado

Fosse conhecedor da arte da composição musical - e nunca aprendi a tocar qualquer instrumento - comporia uma balada para marcar o que eu conheci de vida e o desfecho trágico, prematuro e inesperado desse cidadão que foi Miguel Josino Neto, amigo de uma convivência de quase três décadas. Fecho os olhos e vislumbro um Miguel de fala mansa que, todavia, dava vazão às torrentes de argumentos gestadas em raciocínios  superiormente aguçados e não raro revestidos de finíssima ironia. 

Aliás, Miguel Josino foi um exemplo de enorme precocidade nos multifacetados aspectos da existência, mormente, no dúplice papel profissional de professor e de operador do direito. Precocidade que até fê-lo aparentar mais idade do que efetivamente tinha, dada a grande maturidade intelectual que naturalmente demonstrava nos vários domínios da vida.

Um aspecto interessante e que decerto  passaria - e passou - despercebido para muita gente foi o especial apego que Josino devotava às personagem cervantescas do fidalgo dom Quijote de la Mancha e seu fiel escudeiro Sancho Panza; até no timbre do papel utilizado em sua atividade de advocacia privada ostentava aquela silhueta de ambos imortalizada na ilustração clássica de Gustave Doré. E colecionava quadros, gravuras, pequenas estátuas e outras peças artísticas que representavam sempre o magro perfil "del caballero de la triste figura", de patética armadura e lança arriada no seu esquálido Rocinante, sempre acompanhado do robusto fâmulo, Sancho Panza, em seu indefectível burrico, "el Rucio".

A partir da primeira e juvenil  leitura  que fiz da magnífica obra de Cervantes formei um convicção: era impossível alguém condensar, num só espírito, os díspares caracteres de Quijote  e de Panza. Isto até conhecer Miguel Josino que, embora demonstrando de princípio a robustez física, a praticidade e o ceticismo típicos de Panza, mostrava-se visionário e cultor de acendradas paixões. Sim, ele conseguia a síntese maravilhosa de ter os pés firmemente chantadas na realidade da existência e a cabeça a singrar mundos de abstração e fantasia. Talvez a girafa, figura também de sua enorme predileção (Miguel Josino colecionava centenas de pequenas estátuas desse animal) simbolizasse essa síntese tão rara...

Esses aspectos decerto que representavam o pano de fundo dessa personalidade instigante, inquieta e não menos brilhante que foi Miguel Josino - ele ria solto, aliás,  quando eu afrancesava seu nome para Michel Josin -, porém, mais relevantes eram outras facetas de seu comportamento: homem cordial e detentor de virtudes cívicas, um ótimo filho, ademais de extremoso pai de Pedro e Marília, cujo  coração virtuoso paternalmente acolheu, por igual, Talita, Camila e Rebeca, filhas de sua amada Karla, tornadas suas também. Relevante frisar, por fim, que Miguel Josino Neto era exímio conhecedor da difícil e nobre arte de fazer e, sobretudo, de conservar amizades. E soube ser um grande e leal amigo.

Por tudo que representou a efêmera e fulgurante passagem de Miguel Josino Neto por estes prados da existência, poucas vezes se viu tantas homenagens, tão sinceras e tão sentidas, quando das suas exéquias, nesta terra potiguar. Sem dúvida, tudo muito comovente.  Por generosa e humanitária decisão de seu familiares, alguns órgãos de Miguel foram retirados e transplantados em várias pessoas, mitigando-lhes o sofrimento por encerrar buscas e trazer esperanças de novos dias: vive Miguel Josino Neto, agora, como olhos de uns e rins de outros. Pagou um belo tributo à humanidade e assim pôde transpor, na barca de Caronte, os  rios Estige e Aqueronte, na grande viagem rumo às brumas da eternidade. Doravante, porém, permanecerá  Miguel Josino Neto como luminosa estrela no horizonte de nossas lembranças. Como deixou lançado seu homônimo, Miguel de Cervantes, "Seja passado o passado. Tome-se outra vereda e pronto".

Vai, grande Miguel, agora sim um "Caballero de los Leones",  de lança em riste e armadura raluzente, num belo corcel de luz,  desafiar e vencer gigantes doutros mundos. Vai, amigo, cuidar das tantas girafas que vagueiam nas savanas da imortalidade.  Ave, Miguel.

Nenhum comentário: