08 junho 2012

ARTIGO DA SEMANA.



A LEITURA É ESSENCIAL
(Por Rubens Coelho - jornalista - rubensfcoelho@hotmail.com)

Oh! Bendito o que semeia, livros...à mão cheia. E manda o povo pensar! O livro caindo n’alma é o germe – que faz a palma, é chuva – que faz o mar. Trecho do poema de Castro Alves: “O Livro e a América”.

Esse trecho do poema do grande poeta é magistral para definir o quanto é importante à leitura. O livro como instrumento de libertação das pessoas do obscurantismo da ignorância. Além de ser uma fonte de prazer inestimável. A leitura, qualquer que seja, faz-nos sair da rotina, sonhar, dependendo do estilo, um bom romance, por exemplo, cujo enredo, desperte o interesse do leitor pode fazê-lo: sonhar, sorrir,chorar, enfim, viver os personagens do enredo, divertir-se. Se o livro for de história, de ciência; tecnologia, assim por diante, todo ou qualquer estilo, sempre estará contribuindo para o nosso aprendizado e elevação do nosso conhecimento.

Infelizmente, no Brasil o hábito da leitura ainda está muito distante do necessário ou ideal. Se compararmos com outros países, com os Estados Unidos, aonde a média de leitura per capita (por pessoa), é de cinco livros por ano; Europa, 5 a 8 livros, Argentina e Uruguai, quatro livros, enquanto no Brasil é de apenas, 1,3 livros por ano. É uma lástima. O pior, é não ser incomum, encontramos brasileiros sem nenhum exagero, se jactando de nunca terem lido um livro, como se isso fosse uma prova de sabedoria em detrimento dos que gostam de ler, que para o inculto não passam de bobagem e perda de tempo. Já testemunhamos alguém dizer que para seus filhos ganharem a vida, bastava ensinar-lhes as quatro operações de matemática e pronto, eles estariam habilitados para ganharem o mundo, dinheiro, o mais era encher linguiça para engordar cachorro magro. 

Apesar dessas mentalidades retrógradas e obscuras ainda existentes, registramos com satisfação o aumento de leitores de livros no país nas últimas décadas. Os diversos programas e estímulos governamentais, as bienais e feiras de livros nos calendários de eventos em distintos lugares do território nacional, inclusive em Mossoró, têm contribuído decisivamente para o gradativo aumento de apreciadores do bom hábito da leitura de livros.

É preciso que haja mais estímulo a criação de bibliotecas em cada cidade, em todos os lugares públicos que deem condições de ter algumas prateleiras onde os livros possam ficar a disposição dos leitores, enfim, deve-se facilitar ao máximo o acesso à leitura, somente assim, o país sairá da vergonhosa posição no ranking de menor prática de leitura de sua população, até mesmo entre os irmãos sul americanos.

Nenhum comentário: