28 março 2011

ARTIGO.

.
Mossoró - A Capital Nacional do Homicídio
(Jônatas Andrade)*

Estamos próximos do fim do mês de março. Pós-carnaval, início das aulas, continuidade das mortes. Mossoró, terra do sol, e que um dia pretendeu (e claro que esse pretender é algo irreal e típico de filme da Disney) ser Capital da Cultura. Isso, cultura. Cultura do lixo, cultura do rio podre, das moscas. Cultura da expulsão dos poetas da COBAL. Cultura da falta de incentivo aos grupos de teatro, aos cineclubes, cultura de desvalorização do próprio nome de Elizeu Ventania. Cultura do MegaFest – onde tem-se a ilusão de que eu sou feliz porque POSSO, e estou lá porque tenho POSSES, ou porque passei os dois primeiros meses do ano juntando dinheiro para lá estar -, Mossoró, cidade que homenageia e se todo santo ano a glória de um dia ter espantado um bandido e sua trupe daqui. Claro, ou esperava-se que as autoridades políticas e as pessoas de bem da cidade deixassem os cangaceiros se instalar, fazer moradia e reinar na cidade? Essa glória é reinventada todo ano em nossa cidade.
.
Mossoró é uma cidade Museu, vive do passado, literalmente. E em falar em museu, bem, onde anda o nosso? Por que não expulsar Fernandinho Beira-Mar então? Por que não expulsar, ou melhor, algo ainda mais básico do que expulsar, por que não capturar, julgar, prender e encarcerar os bandidos que cometeram quase 50 assassinatos em nossa cidade até o momento (agora mesmo deve ter ocorrido mais um)? Porque em vez de trazer inúmeras bandas baianas no meio do ano para cá, a cidade (Prefeitura e Senhora Prefeita) não investem pelo menos 10% do que seria investido nesse festival de baixarias baianas de penúltima categoria em nossa (des)segurança pública? Ou será que estou captando errado e esse Corredor Cultural realmente está fazendo com que a cultura do povo mossoroense se eleve a níveis nunca antes vistos na história dessa cidade? Será que estou tão cego assim e não percebo tais melhorias? Será que estou cego e realmente o Lauro Monte Filho ainda sobrevive para contar alguma estória? Será que estou cego e não percebo que os senhores administradores e grandes incentivadores da cultura mossoroense viram o Cine Pax morrer aos poucos por conta da “permissão” de venda que é dada aos vendedores de dvds piratas em cada esquina da cidade, tendo o Vuco-Vuco Trade Center Comercial Ltda. sendo a Blockbuster da classe média-baixa? Por sinal, já percebo a migração das classes mais altas na compra dos famosos “2 é 5”, “5 é 10”.
.
Será que eu estou realmente cego e não percebi que um shopping (ou seria centro comercial?) foi levantado à custa do pagamento de impostos do povo trabalhador, e foi levantando para o bel-prazer dos novabetanianos? Será que somente os novabetanianos são gente? Somente eles podem comprar? Aliás, algo ainda mais importante, será que um shopping é realmente o ingrediente X e mais necessário para fazer feliz um povo tão cansado de sofrer, de ver a corrupção “gritando”, os poderosos mandando e desmandando e ainda enviando rosas? Onde fica (se é que fica) o acesso para esse Centro Comercial da cidade por parte dos moradores do Alto do São Manoel, Vingt Rosado, etc...?
.
Onde é que fica a polícia? Claro, já sei, óbvio. Tolice a minha, perdão. A polícia, ou boa parte dela fica de prontidão no MegaFest, no Cidade Junina. É lógico, onde estava com a cabeça de pensar que um cidadão comum, que fica em casa e quem sabe se arrisca bravamente de ir tomar um sorvete com o filho ou cerveja com um amigo na esquina mereceria ter viaturas circulando, apenas para dizer “estamos aí”. Quem costuma dizer “estamos aí” são os bandidos, estão aí, ali, em todo canto. Mas eles não podem e nem devem estar no MegaFest, claro. É pedir para manchar demais a imagem da ex-futura-um-dia-quem-sabe-NUNCA Capital da Cultura.

Ó, mundo tão desigual
Tudo é tão desigual
De um lado este carnaval
Do outro a fome total...
(Paralamas do Sucesso)

Homem-primata, capitalismo selvagem...
(Titãs)
.
Acadêmico do curso de Pedagogia, Cineclubista (e incentivador da cultura) por amor, e não pelo dinheiro. Mossoroense de nascença, sobrevivente na raça.
.
.

Um comentário:

Anônimo disse...

Esse cara é um recalcado e cego. Falar dessa forma de Mossró deve vir da boca de um estrangeiro, alguém que não conhece a lingua portuguesa. Que mal há no passado de Mossoró que não possa ser lembrado, valorizado e cultuado? Onde e em que lugar do mundo existe uma terra sem história e passado? O futuro de Mossoró, chegou e está sendo construido a passos largos, só pessoas que em nada contribuiram para o futuro não ver, enxerga e reconhece o grande avanço da nossa querida terra. Atacar grupos políticos enxovalhando a cidade não é um exemplo de cidadnia e respeito. Pegue seus panos de bunda meu amigo e vá morar na Líbia, lá devem estar seus conterrâneos.