16 janeiro 2011

RIR AINDA É UM EXCELENTE REMÉDIO...

.
Excesso de velocidade

Estava o português a trafegar pela Freeway a 130 Km/h. E lá pelas tantas foi flagrado no radar por uma barricada. Mandaram-no encostar. Chegou o guarda dizendo-lhe:

- O senhor acabou de transgredir uma das regras do nosso Código Brasileiro de trânsito! O senhor não se envergonha? Vou ter que lhe aplicar penalidades severas!

E o português não admitindo o erro:

- Mas como? Negativo! Não acredito.... não pode ser! Isso é um absurdo! De onde vocês tiraram isso? Como é que vocês sabem?

- Simples, meu senhor. Detectamos no radar escondido lá atrás daqueles arbustos - disse o guarda apontando para uma moita. E o português burro, sem conhecer a tal novidade tecnológica:

- Ó raios! Mesmo assim eu ainda não estou a acreditaire nessa história! Eu quero ver esse tal de radar!

O policial, muito sacana:

- Vem cá que eu te mostro o "radar"... vem...

O português acompanhou o policial até atrás da moita. Uma vez chegando lá o policial tirou das calças o "órgão" e mostrou ao português:

- Tá vendo? Esse aqui é o "RADAR". Que me dizes?

E português começando a reclamar:

- Ai Jesus! É revoltante a desorganização de vocês aqui no Brasil! Lá num outro posto rodoviário um guarda tinha me dito que isso daí é o bafômetro!


Psiquiatra ao português:

- Costuma ouvir vozes sem saber quem está falando ou de onde vem?

- Claro que sim.

-E quando acontece?

-Quando atendo o telefone


Dicionário Português

ABISMADO: pessoa que caiu no abismo.

AMADOR: o mesmo que masoquista.

AMAZONAS: apreciador das zonas de baixo meretrício.

ARMADURA: pênis em estado de ereção.

ARMARINHO: vento proveniente do mar.

ARTESÃO: aparentando excitação.

BARGANHAR: receber um botequim de herança.

BARRACÃO: proibir a entrada de cachorro.

BISCOITO: relação sexual repetida.

COMUNGUEI: estar relacionado com um homossexual.

CONCEIÇÃO: elemento de soma: Ex: quatro com seis são dez.

CRETINO: nativo de Creta.

DEPAUPERADO: operado de fimose.

DESBOTAR: quando a galinha bota dez ovos.

DESDENTADAS: o mesmo que dez mordidas.

DESVIADO: uma dezena de homossexuais.

DOCUMENTADO: pessoa habituada em passar menta no anus.

EDIFÍCIO: antônimo de "é fácil".

EFICIÊNCIA: ciência que estuda a letra "F".

ENCURRALAR: o mesmo que esfolar o anus.

ENTREGUEI: estar cercado de homossexuais.

ESFERA: animal selvagem já domesticado.

ESPERTO: o mesmo que distante.

FLUXOGRAMA: direção em que cresce o capim.

GENEROSA: fator genético da rainha das flores.

GINCANA: bebida contendo gim e pinga.

GLANDE: sinônimo de "enolme".

GLOSAR: atingir o "olgasmo".

HALOGÉNIO: forma de se cumprimentar pessoas muito inteligentes.

HOMOSSEXUAL: sabão em pó para lavar partes intimas.

INTIMAÇÃO: o mesmo que caricias sexuais.

MINISTÉRIO: aparelho de som de tamanho reduzido.

MISSÃO: missa muito longa.

NEGATIVA: crioula muito trabalhadora.

NEGOCIANDO: crioulo entrando no cio.

OBSCURO: "OB" de cor preta.

PAULATINO: pênis de nativo das Américas: Central e do Sul.

PRESSUPOR: colocar preço em alguma coisa.

SOLUÇÃO: forte soluço.


Guarda Esperto

O trombadinha foi preso em flagrante. Segurando-o pelo braço, o policial tentava levá-lo para a viatura quando de repente bate um vento e leva o quepe do guarda.

Imediatamente o preso se manifestou:

- Seu guarda, o senhor espera aí um minutinho que eu vou buscar o quepe para o senhor.

Mas o guarda revidou:

- Escuta aqui ó gajo! Você está pensando que eu sou otário? Você acha que eu vou deixar você ir pegar o quepe, pra depois você fugir? Só porque sou descendente de português, você acha que eu sou burro, hein?

- Não, senhor! Eu só queria ajudar!

- Ajudar? Espertinho! Pois fique aqui você que EU vou buscar o quepe!


Teste da Farinha

Manuel entra em uma farmácia e pergunta ao balconista:

- Xi faiz favoire, o senhor pode me vender um pouquinho de farinha?

O balconista, atônito, respondeu:

- Farinha? Eu não vendo farinha.

O português foi embora, mas no dia seguinte ele voltou:

- Bom dia, senhor! Tem farinha hoje?

O balconista, impaciente, respondeu:

- Não, hoje não! - e deu as costas para o português.

Ele foi embora chateado, mas acabou voltando no dia seguinte, e no seguinte e no seguinte. Até que no sexto dia ele não agüentou mais.

- Oilá. - disse o português.

- Bom dia!

- Adivinha o que estou precisando comprar?... Farinha!!

O balconista desesperadamente respondeu:

- Eu não agüento mais o senhor aqui todo o dia me pedindo farinha. Será que não deu pra perceber que isso aqui é uma farmácia e que em farmácias ninguém compra farinha?

Ao ouvir tamanha bronca o português ainda insistiu:

- Ninguém compra, porque você não vende. Se vendesse...

O balconista perdeu o sentido e antes que o português terminasse, ameaçou:

- Se o senhor me aparecer aqui novamente e pra me pedir farinha, eu juro que vou pregar seus pés na calçada.

Ao ouvir isso o português saiu de fininho. Mas por incrível que pareça, ele voltou:

- Bom dia! Xi faiz favoire?

O balconista ao ver o português já arregaça as mangas e começa a espumar de ódio. O português então pergunta ao balconista:

- O senhor tem pregos?

O balconista, aliviado, responde:

- Não, claro que não...

- Ah, então o senhor me veja um pouquinho de farinha!
.

(Enviado por Cezimar Nascimento, Mossoró, RN, Brazil)
.
.
.

Nenhum comentário: