04 junho 2010

RN PRECISA RESGATAR SEU BANCO.

.
RN PRECISA RESGATAR SEU BANCO.
(por Roberto Guedes - jornalista)

Na hora em que alguns grupos políticos ensaiam a preparação de programas de governo apostando na perspectiva de conquistarem o Palácio Potengí em outubro deste ano seria bom para o Rio Grande do Norte que cogitassem de adotar como honesta bandeira de luta a criação de um banco oficial para esta unidade federativa.

Trata-se de alavanca para o desenvolvimento que não deve ser olvidada. Visto como uma grande e complexa unidade econômica, o Rio Grande do Norte padece em boa parte, freando sua expansão econômica, devido à falta de uma instituição bancária que dê suporte a investimentos estruturantes e germinativos.

Todos os países e estados federativos que rumam ao desenvolvimento dispõem de instituições financeiras voltadas para o bem comum, diferenciadas dos bancos privados e orientadas no sentido de ajudar a investir em empreendimentos que ofereçam retorno econômico e social.

O Rio Grande do Norte que soube enterrar seu banco oficial, na verdade seus dois bancos, o comercial, Bandern, e o de Desenvolvimento, o BDRN, era outro, diferente do atual, que parece estar no limiar da construção de um grande futuro através da aposta em suas vocações naturais e na exploração economicamente sustentável de suas riquezas.

Na hora de partir para planos mais ousados, porém, o Estado fica a mercê de casas bancárias controladas por terceiros. Ninguém negaria apoios que os banco do Brasil e do Nordeste e a Caixa Econômica Federal, pertencentes à União, têm comparecido, mas seria ótimo se a esta atuação o governo local pudesse somar a de um banco genuinamente potiguar.

O ano eleitoral pode ser exatamente a ocasião para o Rio Grande do Norte arrancar de governo e de candidatos a governo o “nihil obstat” para o nascimento da instituição, capitalizando-a durante algum tempo para depois faze-la multiplicar seu capital na forma de apoio a empreendimentos que sejam escolhidos entre os de relevância, honesto interesse e capacidade de impulsionar o progresso.
..
.
.

.

.

Nenhum comentário: