23 abril 2010

NOTA PESSOAL

.
"Confesso que fiquei literalmente surpreso e de certa forma decepcionado com a decisão não coletiva e sim normativa de se marcar a reunião do "Copão" no restaurante Picanha Grill.
Não quero reabrir cicatrizes e muito menos trazer a público o vergonhoso e constrangedor episódio que afastou a nossa confraria daquele recinto.
Decisivamente me nego a retornar a um local, onde convidados do "Copão", não foram tratados com respeito, dignidade, e sobretudo probidade.
Enfatizo veementemente que essa minha decisão de caráter pessoal, não significa, em absoluto, cisão com a confraria que reputo das mais importante e por mim, a mais querida e fraternal.
No entretanto, por uma questão de formação, índole e caráter, me recuso a compartilhar, embora lamente privar-me da agradável, singela, amável, amistosa companhia dos queridos e seletos confrades do "Copão", restrita a essa reunião, por conta do acima exposto.
Reiterando que essa decisão não significa rompimento - nem definitivo ou mesmo temporário -, informo aos que comungam com meu pensamento, que estarei no restaurante Carlos Bar, onde terei o maior prazer em encontrá-los.
Atenciosamente,
Carlos Escóssia
"
.
.
.
NOTA: não estive na reunião do "COPÃO" no dia da visita da professora Vilma de Faria, na qual ocorreu o 'constrangedor episódio' citado pelo economista, professor e blogueiro Carlos Escóssia. No entanto, por lealdade à firmeza e à lógica dos fatos, igualmente ao enunciado da nota, não vou à reunião, hoje ( 23/04), da agradável confraria.
.
.
.

Nenhum comentário: