09 julho 2008

- QUALQUER CIDADÃO PODE SER PREFEITO DE MOSSORÓ? POR QUÊ?

.
Quando analisamos o capítulo da nossa Constituição Federal referente aos direitos e garantias fundamentais assegurados ao cidadão, não temos como discordar que, em tese, qualquer pessoa, em pleno gozo de seus direitos políticos, do ponto de vista da legalidade, é certo, está plenamente apto a exercer um mandato eletivo. Tomemos a chefia do Executivo de Mossoró como exemplo. Entretanto, neste aspecto, inevitável atentar-se para determinadas peculiaridades que somente no chamado "país de mossoró" são possíveis de ver-se materializadas. É que, ao considerarmos como exemplos as administrações e respectivos administradores tupiniquins, notadamente nas três últimas décadas, não encontramos, nem do ponto de vista da prática, nem tampouco da lógica, viabilidade para uma resposta positiva para a primeira indagação. Explico: depois da eleição de Antonio Rodrigues de Carvalho, para prefeito de Mossoró, em 1968, tivemos, a partir da eleição seguinte (1972) a plena hegemonia do velho "burgomestre", como se auto intitulava o saudoso Dix-Huit Rosador, perdurando até o ano de 2006, ou seja por longos vinte e quatro anos. Neste caso, não seria indigesto ao menos uma indagação: como podemos admitir a existência dessa tal preponderância se além dele outros nomes foram eleitos para ocupar o cargo? Simples: ao término do seu primeiro mandato, ele (Dix-Huit Rosado) elegeu como sucessor o seu cunhado, João Newton da Escóssia (1976/1982), retornando no mandato seguinte (1983/1988). Nas eleições seguintes, apoiou e elegeu Rosalba Ciarlini, esposa de um sobrinho seu, para sucedê-lo no cargo (1988/1992). Nas eleições de 1992, derrotou o candidato apoiado pela então prefeita Rosalba Ciarlini, e assumiu o seu terceiro mandato (1993/1996), vindo a falecer faltando cerca de setenta (70) dias para o término do mandato, assumindo, em virtude da vacância, a sua sobrinha e vice-prefeita, Sandra Rosado. Nas eleições de 1996, Rosalba Ciarlini derrota Sandra, retoma a chefia do executivo, cumpre o seu segundo mandato (1997/2000), e é reeleita para o cargo nas eleições de 2000, para cumprir assim o seu terceiro mandato (2001/2004). Sucedeu a Rosalba Ciarlini, uma sobrinha de Dix-Huit, Fátima Rosado (2004/2008). Deflagrado o atual processo sucessório da cidade, as duas principais candidatas são: Fafá Rosado, que tenta e reeleição e Larissa Rosado, ambas sobrinhas de Dix-Huit Rosado. É fato que, mesmo sem chances de sucesso ou mesmo de eleger um vereador, duas outras candidaturas estão postas: Renato Fernandes, numa espécie de anti-candidatura (creio que já vi esse filme) e Heronildes Bezerra, que não oferece muito o que ser comentado. Assim, mesmo sendo correto afirmar que, do pontode vista legal, qualquer cidadão poder ser prefeito de Mossoró, não menos correto seria afirmar que, do ponto de vista da praticidade, nem todos podem assumir a chefia do Executivo mossoroense e, via de consequência, a condução dos destinos deste importante município potiguar.
.
.
- G E R A I S -
.
FIXA SUJA - Marca ponto a CCJ-Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal, ao aprovar projeto de lei que torna inelegível pretenso candidato que tenha "fixa suja". Uma pena que não possa viger antes das eleições deste ano. Uma pena mesmo! Já o PT-Partido dos Trabalhadores, cada vez mais se distancia dos velhos propósitos que o levaram ao poder. Representado na CCJ pela Senadora Ideli Salvati, posicionou-se contrariamente à proposição. Quem te viu, quem te vê!
.
UMARIZAL - Com os pedidos de registro das candidaturas devidamente encaminhados, a Justiça Eleitoral, ao analisar a documentação das duas coligações pretendentes, deverá indeferir o registro do candidato a prefeito de uma delas, decisão esta que deve ser mantida pelo TRE-Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte.
.
MOSSORÓ - Se nenhuma ação de impugnação aos pedidos de registros de candidaturas for protocolizada, teremos uma situação pacificada para a inevitável polarização entre as primas Fafá Rosado e Larissa Rosado.
.
DEBATE - Com os nomes para prefeito praticamente definidos, já dá até pra imaginar uma situação interessante: num debate em que estejam presentes os quatro postulantes, o candidato/empresário Renato Fernandes (nada prolixo!), optará por dirigir suas perguntas para uma das candidatas favoritas, ou baterá no serelepe "Heró"?
.
NATAL - Divulgada a pesquisa patrocinada pelo Jornal de Hoje e executada pelo Instituto Start, os números não mostram nada que não fosse esperado. Micarla de Souza (PV) disparada com 47,05% de intenção devotos (na sondagem anterior ela tinha 44,03%), seguida de longe pela Deputada Fátima Bezerra (PT), com 19,04% (na sondagem anterior ela tinha 15,07%). Os demais candidatos (Miguel Mossoró (PTC), Joanilson Rego (PSDC), Wober Junior (PPS), Sandro Pimentel (PSOL) e Dário Barbosa (PSTU), chagam a 9,06% das intenções. Já os Brancos/nulos, não sabe, não responde, somam 22,7%. Pelos números, se o pleito fosse hoje, é bem provável que não haveria segundo turno.
.
VEREADORES - Não sou futurólogo; nem tenho vocação para tal. Entretanto, levando-se em conta a popularidade desfrutada pelos bravios edis mossoroenses, sem prejuízo das diversas composições para as eleições deste ano, creio que a renovação das cadeiras não será inferior a 50%, ou seja: dos atuais 13, cerca de 6,5 (seis e meio) vereadores ficarão de fora da nova legislatura. Desse total, deduzindo-se a vaga do vereador Renato Fernandes, que concorre ao cargo de prefeito, levadas a efeito as devidas deduções e arredondamentos, temos um total de seis (6) vereadores com possibilidades de renovarem seus mandatos.
.
.
Comente esta postagem.
Obrigado pela visita.
.
.

Um comentário:

Marcos Batista disse...

pelo analizado o qualquer cidadão que pode ser prefeito de mossoró tem que ter o sobrenome rosado e rezar na cartilha deles, para que a "capitania hereditária de mossoró", continue a mossoró da "gente" ( deles )...