14 março 2008

- DIA NACIONAL DA POESIA

Hoje é o "Dia Nacional da Poesia."
Em 14 de março de 1847, nascia Antônio de Castro Alves...

TRISTES OLHOS

Teus olhos são negros, negros,
Como as noites sem luar...
São ardentes, são profundos,
Como o negrume do mar;

Sobre o barco dos amores,
Da vida boiando à flor,
Douram teus olhos a fronte
Do Gondoleiro do amor.

Tua voz é a cavatina
Dos palácios de Sorrento,
Quando a praia beija a vaga,
Quando a vaga beija o vento;

E como em noites de Itália,
Ama um canto o pecador,
Bebe a harmonia em teus cantos
O Gondoleiro do amor.

Teu sorriso é uma aurora,
Que o horizonte enrubesceu,
— Rosa aberta com biquinho
Das aves rubras do céu.

Nas tempestades da vida
Das rajadas no furor,
Foi-se a noite, tem auroras
O Gondoleiro do amor.

Teu seio é vaga dourada
Ao tíbio clarão da lua,
Que, ao murmúrio das volúpias,
Arqueja, palpita nua;

Como é doce, em pensamento,
Do teu colo no langor
Vogar, naufragar, perder-se
O Gondoleiro do amor! ...

Teu amor na treva é — um astro,
No silêncio uma canção,
É brisa — nas calmarias,
É abrigo — no tufão;

Por isso eu te amo, querida,
Quer no prazer, quer na dor,
Rosa! Canto! Sombra! Estrela!
Do Gondoleiro do amor.

Castro Alves, Recife, janeiro de 1867.

A Ecologia e o mundo
Assistiram sem entender
O homem, o Rei dos Mares,
Da terra se despreender.
Viajou pelas pesquisas,
Pelas grutas e corais
Pesquisou nas águas claras,
Nos rios, nos manguezais.
Embrenhou-se nas florestas,
Descobriu mananciais;
Pesquisou velhas culturas
Que não se conheciam mais.
Denunciou os desmandos
Feitos por quem não devia,
Defendeu teses e fóruns
Em favor da ecologia.
Construiu embarcações,
Expedições.... Viajar...
Viajava pelos mares
Como se fosse brincar.
Preservava a natureza
Por amor, por afeição;
Defendia a criança
Como única geração.
Apresentou à Unicef,
Que outorgou com menções,
Os Direitos das Crianças
Das Futuras Gerações.
Na Amazônia, pesquisando,
Num trabalho acidental,
Perdeu seu filho, um amigo,
-- Pesquisador tão leal.
E o mundo se curvou:
A natureza sentiu
Lamento da ecologia,
Adeus a Jacques Custeau.

E O MUNDO
(rOgério Dias)

Nenhum comentário: