28 outubro 2006

-TUDO POR AMOR: UMA CENA URBANA RARÍSSIMA.

Dizem que uma imagem vale por mil palavras. Concordo plenamente. No entanto, existem cenas do cotidiano que, face as suas peculiaridades, parecem mais coisa de ficção que da realidade propriamente dita. É exatamente o que se vislumbra da matéria veiculada pelo noss Jornal Gazeta do Oeste, edição de ontem (27), destacando uma visão urbanística deveras rara: dois homens disputando no braço, sem precisar ir às vias de fato, o amor de uma jovem mulher. Felizmente fora apenas cômico (embora sério o objeto da disputa) o defecho do acontecimento: diante de um delegado a jovem fez a escolha que melhor lhe aprouveu, e o perdedor, ao que restou visível (não risível, convenhamos) se conformou e foi para casa sozinho. Triunfou a contumaz força do amor.
Eu, tendo por esteio o meu pífio conhecimento das cisas da vida, pensei que não teria muito a comentar sobre o caso, face a mensagem perfeitamente transmitida na foto. Engano. Do meu amigo Augusto Pinheiro, uma cabeça pensante desta urbe, recebi um texto destacando o fato e a foto, que faço questão de postá-lo, máxime pelo conteúdo, como forma de dividí-lo com os que visita este blog:

"Caro amigo Herbert,

CRÔNICA DE UM AMOR

Viu a gazeta de hoje? Só a foto "já paga o ingresso", um diagrama captado no momento certo na hora certa. Fotos como aquela só de dez em dez anos. Parabéns para o fotógrafo! E o drama em sí? Já pensou a "banca" da mulher para o novo marido? " Bem, vá lavar a louça, senão o que ficou em Mossoró vem me buscar!". Tenho pena do coro que o novo marido vai comer! E o que perdeu a mulher? Hoje conhecido em toda Mossoró, como o homem que perdeu sua mulher na "Raça", pois o oponente veio de Patú e arrastou a mulher! Hoje conhecido como o "Corno" que brigou e perdeu, não uma simples luta, mas o amor próprio, o amor da mulher que julgava ser amado, e de quebra ganhou um título do "Corno do ano" em todas as rodas, das mais simples até as mais sofisticadas. O que temos que ver é que ele fez tudo isso em nome de uma coisa somente, do amor."

2 comentários:

Erasmo C Firmino disse...

Senhor Herbert Mota, não o conheço pessoalmente e não me recordo como cosegui o endereço de seu blog, o que sei é que diariamente o acesso e me deleito diante de textos tão bem escritos. Fiquei também empolgado com o juiz aposentado Assis Amorim, que também pretende entrar na blogosfera. Na qualidade de leitor assíduo, venho aqui pedir muito obrigado pelos textos.

Herbert Mota disse...

Meu caro Erasmo, sempre que visualizar o blog e entender necessário, faça um comentário seja lá de que natureza for. Obrigado pelas palavras.