21 setembro 2006

CHUVA DE BOLAS

Surge em Mossoró provável foliaduto do PFL.
Inquérito Policial apura escândalo em Mossoró similar ao que ocorreu na Fundação José Augusto de Natal. O colunista Alex Medeiros (http://www.sanatoriodaimprensa.com.br) , publicou na última terça-feira, 19, duas notas sobre um grande escândalo na cidade de Mossoró, região Oeste do Rio Grande do Norte. Trata-se de um esquema com contratos fantasmas de bandas para apresentações em eventos culturais da Prefeitura Municipal. A atual prefeita, Fafá Rosado, entrou com habeas corpus pedindo a interrupção do inquérito. Ela alega não ter culpa, pois trata-se de esquemas de administrações anteriores. O problema é que se ela declarar isso em público prejudica a ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PFL), que disputa a eleição para o Senado na chapa da oposição. Leia abaixo as duas notas de Alex:
Foliaduto do Oeste - Um escândalo de proporções maiores que os ocorridos na Fundação José Augusto, em Natal, foi descoberto também em Mossoró pela Delegacia do Patrimônio Público. Uma versão semi-árida do "foliaduto" está sendo investigada por dois delegados, um deles Julio Rocha que preside o inquérito. Outro delegado, de prenome Teixeira, está na região e já interrogou quatro procuradores do município sobre o escândalo, um grande esquema de contratos fictícios de bandas e artistas para apresentações fantasmas em festas populares da cidade oestana. Teixeira também foi à Fortaleza e já interrogou nada menos que 17 bandas cearenses. Todas lhes entregaram declarações de que jamais tocaram em festa nenhuma promovida em Mossoró pela Prefeitura Municipal. Informações vazadas da delegacia do Patrimônio dão conta de que os advogados da prefeita de Mossoró, Fafá Rosado, entraram com pedido de hábeas corpus para ela não depor no inquérito. A prefeita não aceita ser envolvida, pois o escândalo tem raízes em administrações anteriores à dela.
Para interromper - A prefeita de Mossoró, Fafá Rosado (PFL), entrou realmente com um Habeas Corpus com Liminar no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, na tarde do último dia 11, para interromper o inquérito policial que apura um escândalo em Mossoró nos moldes do que ocorreu em Natal na Fundação José Augusto. O caso tem processo de n° 2006.005162-7 e já está no site oficial do TJRN. O Inquérito Policial tem número 037/06 e está em curso na Delegacia Especializada da Defesa do Patrimônio Público. O pedido foi impetrado pelo advogado Paulo de Tarso Fernandes, em nome de Maria de Fátima Rosado Nogueira, paciente em segundo grau no processo. Foi recebido após sorteio pelo desembargador Armando da Costa Ferreira, em 14/09.

Nenhum comentário: