01 junho 2012

ARTIGO DA SEMANA.


SEU LIBÓRIO E O RIO MOSSORÓ
(Por Rubens Coelho - jornalista - rubensfcoelho@hotmail.com)

Outro dia conversando com o velho sertanejo da Picada Um, a questão do Rio Mossoró veio à tona. É que sua fazenda fica às margens do rio, lugar da sua infância, adolescência e agora na velhice. 

Evidentemente, o rio faz parte de sua vida. Daí, pelas suas palavras, manifestou profunda revolta em ver o Rio Mossoró na situação em que se encontra, completamente degradado.

-Pois é meu compadre, isso não é mais rio, é um esgoto a céu aberto. Este ano vamos ter eleições para prefeito, talvez os candidatos façam juras de salvá-lo da morte completa. Como já estou ressabiado, não vou acreditar facilmente nas promessas que fizerem. Tenho minhas razões para isso, pois já estou mouco de tanto ouvi-las. Para a gente acreditar um pouquinho, o candidato tem de fazer constar no seu projeto administrativo, registrar em cartório, com testemunhas isentas e coisa e tal. Por que do contrário, o que for dito pelo candidato sobre o assunto, entrará por um ouvido e sairá pelo outro. A descrença prevalece. E não é para menos, já se falou em demasia em recuperar o rio, até agora tudo conversa para boi dormir.

Cadê o projeto que o saudoso prefeito Dix-huit Rosado mandou elaborar para recuperação do rio, há mais de vinte anos, se não estou enganado? Só sei que o arquiteto e urbanista paranaense ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná, Jaime Lerner, esteve aqui teceu falação sobre o projeto, a mídia na ocasião fez o escarcéu de sempre e depois veio o silêncio sepulcral. Ainda na última administração de Dix-huit, esteve aqui também debatendo a questão o ex-governador de São Paulo, Antônio Fleury, a onda publicitária se repetiu, depois a calmaria. Já teve secretário do município que garbosamente navegou no poluído rio a bordo de uma canoa, para mostrar que ia tomar providências. E nada...

Atualmente, a administração municipal tem até uma secretaria de meio ambiente para cuidar desses problemas. Seu titular, olha, olha, cuba, o meio e o ambiente, fala, fala,fala,mas fazer algo de concreto nem pensar.

E, nesse diapasão, nosso querido e outrora, belo rio Mossoró está hoje praticamente morto. Enquanto os gestores se restringem a tamparem as narinas ao se aproximarem do moribundo fluvial, para não sentirem e fedentina dele exalada. É lamentável!

-Como o senhor sabe de tudo isso seu Libório?
- Ora amigo, como lhe disse antes, esse rio faz parte de minha vida, então tudo que lhe diz respeito me interessa. Tenho participado das diversas campanhas em sua defesa, portanto, teria de conhecer alguma coisa sobre o assunto, né mesmo?
- Sem dúvida.

Depois dessa conversa com seu Libório, fiquei até com remorso por não ter feito nada ou muito pouco em defesa do rio que dá seu nome a nossa querida cidade. A indignação do velho sertanejo é mais que procedente. 

Nenhum comentário: