04 novembro 2010

ARTIGO.

.
SEGUNDO TURNO 'CARIMBOU' MICARLA.
(Por Roberto Guedes - Jornalista)
.
Entre as muitas ocorrências e atuações da campanha eleitoral deste ano que precisam ser muito bem avaliadas destaca-se no Rio Grande do Norte a performance da jornalista e empresária Micarla de Souza, prefeita de Natal e presidente regional do PV.

Como se sabe, ela se saiu mai dos dois momentos do pleito. No primeiro turno, não conseguiu uma votação marcante para a candidata do PV à presidência da república, a senadora Marina Silva, a despeito de uma “onda nacional” que se formou em torno desta, nos últimos quinzse dias de luta, forçando a passagem da definição nacional para o segundo turno, quando também fracassou como condutora de projeto político familiar: não conseguiu eleger seu marido, o jornalista e radialista Miguel Weber, e sua irmã, contabilista Rosy de Souza, como deputados estadual e federal, respectivamente. Sob sua liderança, o PV viu sua bancada na Assembléia Legislativa se reduzir de três para um deputado, o radialista Gilson Moura, que não estaria entre os bafejados pelo apoio da prefeita.

Na transição, prometeu apoiar o economista José Serra, candidato do PSDB, e subitamente apareceu proclamando seu aval à hoje presidente eleita Dilma Rousseff, do PT. Vencedora em Natal durante o pleito de 3 de outubro, Dilma se viu então superada na capital potiguar por José Serra.

A apreciação mais simplista que me apresentaram nos últimos dias para esta performance é a de que, depois de experimentar alguns sucessos eleitorais, conquistando na sequência a vice-prefeitura de Natal, uma cadeira da Assembléia Legislativa e a chefia do executivo natalense, Micarla começou a ver o seu veio político se esvair. Ou, como diz um velho conhecido, começou a se mostrar como pé frio. Críticos menos generosos dizem que ela começa a colher os resultados de uma péssima gestão. E os que gostam de comparar garantem que ela se revelou o pior burgomestre que Natal já conheceu, superando em certos aspectos, até, o engenheiro Aldo Tinoco Filho.
.
.
.

Nenhum comentário: